Até hoje: Memórias de cão

Até hoje: Memórias de cão - Álamo Oliveira Um livro poderoso sobre a guerra colonial, surpreendentemente veros��mil! Jo��o, um jovem arrancado �� vida religiosa e tradicional de uma fam��lia rural dos A��ores, vai para a tropa e "aterra" em Binta, uma zona isolada da Guin�� dos tempos coloniais. Em Binta, a guerra ainda n��o chegou e o tempo arrasta-se, h��mido, quente, mole, sem inimigos �� vista, sem not��cias, sem mulheres, numa monotonia de dias sucessivamente iguais, que nem a dorm��ncia do ��lcool consegue interromper. Estes homens, assim isolados do mundo, refugiam-se da insanidade latente na camaradagem que lhes proporciona o carinho, o amor e o sexo sem os quais parece n��o valer a pena viver. Jo��o regressa a casa sem matar um ��nico "turra", com efeito, sem disparar um ��nico tiro, mas este Jo��o que chega �� outro: o que partiu, dois anos antes, e que sobreviveu a Binta por ter a seu lado Fernando, morreu "no quarto n�� 13 da velha pens��o do Rossio" onde "o amor ficara do tamanho da cidade e coubera inteiro numa pequena cama de ferro, pintada de esmalte branco".H�� poesia escrita em prosa. At�� Hoje �� prosa escrita como poesia. A leitura torna-se, por vezes, morosa, mas ganha ritmos e nuances pouco habituais que, finalmente, acabam por servir bem para nos envolver emocionalmente nos horrores e frustra����es da guerra e dos amores imposs��veis.